199959255394011
 
Buscar
  • R122

A sua liderança assusta as pessoas?



Você já viveu a experiência de trabalhar com um líder intimidador?

Se sim, provavelmente tenta de tudo para evitar esse tipo de situação e muitas vezes pode até escolher com quem e onde vai trabalhar.


O difícil é quando você é esse líder e não sabe o que fazer para mudar ou talvez nem perceba que seja assim.


Como Coach de Líderes já trabalhei com várias pessoas nas duas situações. Trabalhei com pessoas que lidam com esse tipo de líder e com líderes que eram assim.


Uma liderança intimidadora geralmente alcança muitos resultados, mas cria ambientes tóxicos que são moldados pelo medo.


Culturas que usam do medo para controlar, dirigir e obter resultados, acionam o mecanismo de ameaça do cérebro das pessoas de forma constante, colocando-as em estado de alerta e níveis de estresse altíssimo.


Esse estado de ameaça afeta diretamente o funcionamento das nossas funções executivas nos tonando menos produtivos, menos inteligentes e reativos o tempo todo, além da probabilidade do surgimento de dores físicas e psicológicas.


Líderes inseguros tendem a agir pelo medo e pela ameaça, criando ciclos de desconfiança e desconexão.


Para te ajudar a não cair mais nessa armadilha e garantir que a sua liderança seja construída de uma forma mais inspiradora e sustentável, compartilho cinco aspectos que você deve observar na sua liderança:


1. Reconheça que você pode estar sendo um líder intimidador


Pare para refletir como você trata a sua equipe e veja como normalmente ela reage após suas cobranças e orientações.


Perceba se sua comunicação gera movimentos de aproximação ou de afastamento que por fim colocam as pessoas a se justificarem, se defenderem ou se sentirem culpadas.

Quanto ao seu tom de voz, você exagera ao falar?

Sua postura é agressiva quando expressa insatisfação?

As pessoas evitam ficar perto de você? E quando estão perto evitam contato visual?

Sua equipe concorda e aceita rapidamente tudo que você diz e raramente te apresenta ideias?


Esses podem ser sinais que você já criou uma gestão focada no medo.



2. Se observe e perceba o que você pode estar projetando de si mesmo na equipe

Muitos líderes possuem um alto nível de auto cobrança, não aceitam errar ou falhar, são agitados e perfeccionistas, e acabam agindo da mesma forma com a equipe.

Me lembro de uma história contada por Marshal Golsmith em em de seus livros, sobre um cliente que era diretor de uma emissora de tv acostumado a lidar com muita pressão para cumprir a risca os roteiros das programações. Em uma de suas sessões ele relatou que estava tendo muitos problemas em casa e o quanto isso o estava chateando e afetando seu trabalho. O que eles descobriram foi que esse executivo levava o mesmo padrão e estilo de liderança para suas relações familiares. Sua impaciência, cobrança e perfeccionismo excessivo com prazos e respostas, estaa destruindo a harmonia e o interesse de sua família em estar com ele.


O autoconhecimento é fundamental para conseguirmos fazer uma boa gestão de nós mesmos. Saber mais sobre si mesmo, ajudou esse executivo a identificar os padrões e exigências que tinha consigo mesmo e o quanto ele refletia o mesmo em suas relações.


Portanto antes de julgar os comportamentos de sua equipe, observe se ela não é apenas um reflexo de você mesmo.



3. Pergunte e converse com sua equipe abertamente


Peça a sua equipe que digam como se sentiram nos últimos 6 meses. Se não conseguiram encontrar oportunidade de expressar suas opiniões e se sentir encorajados a contribuir e assumir riscos. Pergunte quando aconteceu e qual impacto isso causou na visão deles.

Fazendo isso você reunirá insights sobre como sua equipe enxerga e se sente em relação a sua liderança.



4. Mude do corrigir para conectar


Em uma sessão de coaching com um executivo, ele me disse que tinha receios de começar a abrir espaço para ouvir mais, integrar ideias da equipe e delegar, pois acreditava que se fizesse isso, a equipe ia relaxar e não ia cuidar da qualidade da entrega uma vez que agora ele não estaria mais a todo tempo checando e cobrando todos os detalhes.

Como a questão da família era algo que ele sempre trazia como analogia e importância na vida dele, eu perguntei como ele via o desenvolvimento de seus filhos perante os estudos e outras responsabilidades sempre que ele usava uma abordagem de conexão e proximidade ao invés de repreensão e controle frequente. Foi quando ele percebeu que controlar e repreender o tempo todo era muito menos eficaz do que criar conexão e proximidade. Disse que sempre que se envolvia emocionalmente e intencionalmente em se aproximar dos filhos, suas respostas às responsabilidades aconteciam naturalmente e de forma leve, mas quando os pressionava demais, eles se sentiam estressados, incapazes e isso ainda gerava atritos e conflitos em casa. Ao perceber essa diferença, entendeu que da mesma forma poderia ter uma equipe muito mais comprometida e zelosa se testasse criar relações com maior conexão emocional.


Líderes que se conectam ao invés de corrigir retiram o medo do ambiente e o substituem por confiança e parceria, ajudando a criar ambientes muito mais criativos, produtivos e saudáveis.


5. Construa uma liderança corajosa


Segundo Brenné Brown, uma liderança corajosa possui um componente essencial – a vulnerabilidade.


Foi-se o tempo em que ser vulnerável era sinônimo de fragilidade. E quando o assunto é a liderança do futuro, não tem como não falar sobre isso.


Um líder que assume não ter todas as respostas, que aprende com os erros em vez de condená-los e atua com escuta ativa, desperta inspiração e motivação nos colaboradores.

O poder da vulnerabilidade é fazer com que você se mostre humano, despertando sentimentos como empatia e compaixão. Além disso, permite que as pessoas ao seu redor se conectem com você.


Pense se alguma vez, sem que sentisse nem um pingo de frustação ou defesa, deixou que seus colaboradores mostrassem que você estava errado.


Se você ainda não o fez, pense em fazer isso e não se preocupe muito se isso vai fazer com que pareça fraco. Isso vai fazer com que as pessoas vejam que você é gente de verdade e que está disposto a aprender.


Dessa forma você criará uma cultura onde as pessoas não terão medo de arriscar e melhorar suas performances, pelo contrário se sentirão mais seguras e confiantes em testar novas formas de pensar, ser e agir.


A verdade é que ser um líder inspirador vai te trazer muito mais satisfação pessoal e benefícios a longo prazo. E desenvolver essa mentalidade e as habilidades que a compõe é totalmente possível.


Busque agora mesmo meios que podem te ajudar a se tornar esse líder mais inspirador.


Espero que esse texto faça sentido pra você.

Deixe seus comentários.

Abraços,

@graziteixeira7

18 visualizações0 comentário