Copyright R122/R122 Coaching ©2019.

All rights reserved. Todos os direitos reservados.

São Paulo | Alphaville | Guarulhos | Ribeirão Preto | Araraquara

E-mail: contato@r122.com.br

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon

Não à manipulação. Sim à construção. Por Juliana de Lacerda Camargo

21 Dec 2015

Em uma conversa com uma querida cliente que trabalhava na construção de relacionamentos, um insight aconteceu quando ela teve o seguinte pensamento: “construir amizades é diferente de construir relações estratégicas no trabalho” e isso a levou a pensar em como poderia gerenciar melhor alguns relacionamentos que queria construir e até aquele ponto tinha dificuldade, pois não entendia como se relacionar bem com pessoas que não via como amigas.

 

Sabe, é bastante comum pessoas me dizerem que detestam política, que com elas é preto no branco, que não dá pra se relacionar bem com quem não gostam, e por aí vai. Também é bastante comum essas mesmas pessoas entenderem, em algum momento de seu processo, que existe uma grande diferença entre cinismo e construção de relacionamentos; ou, mais ainda, entre manipulação e se relacionar de forma estratégica e/ou inteligente.

 

O que é manipular? Manipular é você usar do que conhece do outro para fazer com que ele aja da forma que beneficie você, custe o que custar. Ou seja, na manipulação existe o que chamamos de uma relação ganha-perde. Você ganha, mas às custas da perda de outras pessoas, do ambiente, de situações... Na manipulação os fins justificam os meios para que a pessoa chegue onde deseja.

 

Mas, na construção de relacionamentos há o que chamamos de uma relação ganha-ganha. Da mesma forma, há a leitura do outro e o gerenciamento de como ele funciona. Há, ainda, a busca pelo que se deseja por meio desse gerenciamento. Mas aqui há uma diferença de proporções gigantescas: a intenção. Enquanto na manipulação se busca o interesse unilateral, na construção de relacionamentos se busca o bem de todas as partes envolvidas e o impacto benéfico no todo! E pra isso há, inclusive, concessões no que se deseja.  

 

Ou seja, assim como um bisturi pode ter resultados completamente diferentes nas mãos de um médico que salva vidas ou nas mãos de uma mente criminosa, “gerenciar o outro” é uma habilidade extremamente importante para que se crie ambientes produtivos e relações sociais saudáveis, mas também pode ser uma arma perigosa nas mãos de pessoas mal intencionadas ou inseguras.

 

E, como você bem deve perceber, embora a linha pareça tênue ela é relacionada a caráter e intenção e, por isso, é muito, muito maior do que se pode pensar num primeiro momento.

 

Agora que você entende que há diferença entre manipular e se relacionar de forma inteligente, pergunto: você quer construir relacionamentos estratégicos? Então pratique se colocar no lugar do outro, entendê-lo e perceber como ele reage a diferentes estímulos. Mas, antes disso, busque olhar para si mesmo. Entenda suas inseguranças e intenções. Mude seu foco do “eu” para “o todo”, e então avance para construir e gerar uma marca positiva onde estiver.

 

É isso aí.

 

 

Please reload

Apresentando a R122

May 1, 2014

1/1
Please reload

Posts recentes

November 9, 2019

Please reload

Busca por Tags