Copyright R122/R122 Coaching ©2011 - 2020.

All rights reserved. Todos os direitos reservados.

São Paulo | Alphaville | Guarulhos | Ribeirão Preto | Araraquara

E-mail: contato@r122.com.br

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon

Pessoas perfeitas geram expectativas... por Juliana de Lacerda Camargo

20 Jun 2018

Outro dia conduzimos um seminário voltado ao autoconhecimento de participantes de uma organização sem fins lucrativos e abri com a seguinte frase: “Meu nome é Juliana e sou imperfeita. Estou falando com pessoas perfeitas ou imperfeitas?” Após entreolhares e algum burburinho, começaram a responder... ‘com pessoas imperfeitas’.

 

O evento seguiu em frente com muitas discussões profundas conduzidas com leveza, com a oportunidade real daquelas pessoas enxergarem tanto o que estava bom, como o que não estava tão bom assim.

 

Ao final checamos os ‘takeayaws’ (=o que elas levavam dali) e um testemunho em particular me chamou atenção: “Saio daqui vendo melhor onde verdadeiramente estou em minha jornada de crescimento, mas sinto menos culpa pelo que vejo e não gosto” Duas expressões em especial me saltaram nessa declaração: ‘jornada de crescimento’ e ‘culpa’.

 

Pare para refletir um pouco... será que essas duas expressões são compatíveis... ou passíveis de coexistir?

 

Creio que em grande parte o sentimento de culpa tem ligação com a busca frustrada pela perfeição. Ou seja, quando nos autoexigimos a perfeição, toda vez que percebemos que ela não existe o sentimento de culpa vem. E geralmente a culpa vem acompanhada da negação, da desculpa (=sem culpa), da justificativa, o que por sua vez leva à estagnação, ou à falta de desenvolvimento/melhoria.

 

Afinal, se não tenho algo a ser trabalhado, ficarei onde estou... ou na minha ‘ilusória perfeição’. Ao esperar perfeição de nós mesmos, nos tornamos reativos a enxergar a realidade como ela é... ou como ela está. E, ao nos fecharmos para perceber a verdade, fechamos as portas da nossa jornada do crescimento. Que ciclo, hein?!

 

Agora avance em sua reflexão... Você já experimentou tomar um remédio sem saber o que tem de errado com você? Seria sábio negar o que não está bom e assim não ‘atacar o problema’ para ficar saudável? Parece que não, certo? Então por que fazemos algo assim com nosso próprio desenvolvimento? Por que aceitamos um resfriado como ‘parte da vida’, mas não aceitamos o processo de desenvolvimento contínuo da mesma forma?

 

Quando falamos em desenvolvimento humano é até mais eficaz crescermos com base nas forças do que nas fraquezas.... mas ajustes e melhorias são inevitáveis, sob pena de pararmos no meio do caminho ou reduzirmos consideravelmente o passo. E, mais do que isso, além de não avançarmos, ao nos portarmos como ‘pessoas perfeitas’, geramos expectativas nas pessoas ao nosso redor... de que não erraremos nunca... ou seja, completando a frase do título desse texto ‘pessoas perfeitas geram expectativas imperfeitas’!

 

Pare para se perceber um pouco. Onde você está localizado – entre as pessoas perfeitas, que não têm nada a desenvolver e portanto geram a expectativa de perfeição nos outros; ou entre as pessoas imperfeitas e que seguem um caminho contínuo de crescimento e melhoria?

 

Não sei onde você está... mas eu sei muito bem onde estou e onde pretendo estar sempre – certamente no grupo das pessoas imperfeitas!

 

É isso aí.

 

Please reload

Apresentando a R122

May 1, 2014

1/1
Please reload

Posts recentes
Please reload

Busca por Tags