Copyright R122/R122 Coaching ©2019.

All rights reserved. Todos os direitos reservados.

São Paulo | Alphaville | Guarulhos | Ribeirão Preto | Araraquara

E-mail: contato@r122.com.br

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon

A resposta defensiva e seu impacto na aliança. Por Juliana de Lacerda Camargo

8 May 2019

 

Hoje vamos falar sobre aliança e uma dica simples de algo que pode colaborar para que ela aconteça.

 

Como é importante saber que temos com quem contar na vida, não é mesmo? Isso é real no ambiente familiar, social, ou corporativo. E existem muitas formas de se estabelecer alianças... e dentre elas uma tem relação com a forma com que respondemos às solicitações que nos são feitas; ou como respondemos às demandas.

 

Imagine só – toda vez que você apresenta uma demanda para alguém é porque precisa de ajuda, certo? Daí suponhamos que você apresente uma demanda para uma pessoa – seja de sua equipe, relacionamento matricial ou outros – e essa pessoa já o atenda de forma negativa... seja de uma maneira mais dura, seja trazendo um monte de desculpas ou justificativas, seja apresentando um cenário ruim, difícil ou pouco provável. Isso seria muito ruim, né? Pois é... é muito ruim, pra quem faz a demanda ou apresenta a solicitação, ter esse tipo de resposta.

 

Agora, o que talvez você não saiba é que há algo interessante no funcionamento de muitas dessas pessoas que respondem de forma mais defensiva. As pessoas que respondem assim geralmente são extremamente perfeccionistas e se preocupam com a expectativa que os outros têm delas. Muitas vezes também já estão com muitas coisas acontecendo e, quando lhes é apresentada mais uma demanda, automaticamente se preocupam se vão conseguir atender aquilo, se vão atender às expectativas, como serão vistas, como as pessoas irão avaliá-las... e por isso a resposta que apresentam frente a uma nova demanda é na realidade uma resposta a tudo isso e não àquela demanda em especial.

 

E por que é importante sabermos disso? Primeiro para que quem está lendo esse texto pare para fazer uma autoanálise... pare pra pensar – você é o tipo de pessoa que, quando alguém faz uma demanda, responde de forma defensiva, ou é alguém que responde de forma aberta e participativa?

 

Em segundo lugar, também é importante para que seja possível gerar empatia pelo outro lado e ajudar a pessoa que precisa da colaboração. Se você é alguém que vai fazer uma solicitação e recebe uma resposta defensiva, talvez ajude olhar para a pessoa entendendo que aquela defesa não é com você, mas com ela mesma e a forma com que ela lida com demandas. Talvez, olhando dessa forma, você não interprete aquela resposta como um problema ou uma ameaça à aliança entre vocês e entenda que pode, sim, contar com a pessoa, pois sua reação tem muito mais relação com o tempo que ela precisa para processar a informação e administrar a nova carga que está entrando no seu cesto.

 

Uma vez trabalhava com uma cliente sensacional, gestora de uma área muito técnica e com pouca margem ao erro. Ela se reportava a uma diretora bastante sênior, que tinha uma reclamação a seu respeito. Toda vez que essa diretora lhe apresentava uma demanda, minha cliente respondia com o que ela mesma chamou de ‘metralhadora de perguntas’, imediatamente fazendo uma série de questionamentos sobre detalhes e se colocando numa postura mais defensiva, de que talvez a demanda não fosse ser atendida ou de que existiriam muitas barreiras no caminho.

 

Com o hábito de responder daquela forma, claro que sua diretora não conseguia perceber uma aliança naquela relação, o que tanto atrapalhava o bom desenvolvimento do trabalho quanto da relação em si.

 

Quando minha cliente se deu conta do que estava acontecendo, falou: ‘Puxa vida, que ruim minha diretora chegar em mim já partindo do pressuposto de que não tem meu apoio e ajuda, quando isso não é verdade’ E o que ela fez com essa conscientização? Inverteu a ordem das coisas e começou a adotar uma abordagem em que chegava pra diretora dizendo ‘Estamos juntas. Mas posso compartilhar com você minhas preocupações?’

 

No caso dela isso foi essencial pra reverter a situação e criar a relação de aliança que faltava entre as duas. E o mais bacana é que isso partiu de um autoconhecimento sincero e da iniciativa de lidar com esse autoconhecimento também de uma forma sincera, pensando na meta de gerar aliança.

 

Pois é... aliança é uma das coisas mais importantes que podemos construir e essa é uma dica tão simples, mas tão eficaz, dentre tantas coisas grandes e complexas que você pode usar.

 

Então, que tal parar pra pensar hoje – seja do lado de quem demanda, seja do lado de quem recebe a demanda – como você pode melhorar suas alianças?

 

É isso aí.

Please reload

Apresentando a R122

May 1, 2014

1/1
Please reload

Posts recentes

November 9, 2019

Please reload

Busca por Tags